Quinta, 02 de Dezembro de 2021 06:06
(86) 99861-1711
Brasil MARCO TEMPORÁRIO

Epidemia foi marco para um tribunal mais contemporâneo, diz presidente do TRF-1

A nova direção da corte, que assumiu em abril de 2020, teve grandes desafios ao longo do ano para se adaptar à nova realidade.

05/11/2021 12h05
Por: Xxxxxx Fonte: www.conjur.com.br
Epidemia foi marco para um tribunal mais contemporâneo, diz presidente do TRF-1

A epidemia do novo coronavírus no país trouxe mudanças significativas na atuação do Poder Judiciário. Para dar continuidade à prestação jurisdicional respeitando os limites impostos pelo isolamento social, tudo passou a operar de forma remota. No Tribunal Regional Federal da 1ª Região não foi diferente. A nova direção da corte, que assumiu em abril de 2020, teve grandes desafios ao longo do ano para se adaptar à nova realidade.

“O ano de 2020 jamais será esquecido, seja pelas dificuldades enfrentadas com a pandemia de Covid-19, seja pelas conquistas alcançadas por causa ou apesar da pandemia”, afirmou o presidente do TRF-1, I’talo Mendes, em mensagem no Relatório de Gestão 2020. “Os acontecimentos de 2020 impactaram a gestão de forma generalizada, com reflexos drásticos em todas as áreas e esferas da Justiça Federal da 1ª Região. A superveniência da pandemia revelou-se como um marco para o início de um tribunal mais contemporâneo, com novo modelo da prestação jurisdicional”, avaliou o desembargador.

O atendimento presencial foi suspenso por meses e o trabalho de juízes, servidores e colaboradores passou a ser remoto, fato que resultou na economia de recursos orçamentários devido à diminuição do uso dos prédios. A corte aproveitou o momento para oferecer capacitações e treinamentos online e também para acelerar a digitalização de processos e a migração para o processo judicial eletrônico (PJe).

De acordo com a Presidência do tribunal, em agosto de 2021, 73% do acervo total da corte já tramitava no PJe. Destes, 27% foram migrados de outros sistemas e 46% autuados originalmente no PJe. Os processos físicos estão em fase de digitalização e migração para o sistema, “mas podem ser movimentados pelos magistrados e servidores que atuam presencialmente, o que, na maioria da Região, está permitido com a limitação de presença física no local de trabalho de até 25% do quadro de pessoal da unidade, como medida de segurança para evitar o contágio do coronavírus”, afirmou a Presidência.

Ele1 - Criar site de notícias