Quinta, 02 de Dezembro de 2021 06:11
(86) 99861-1711
Internacional Crise Internacional

Crise entre Polônia e Belaraus intensifica

Imigrantes são a principal causa do conflito

09/11/2021 19h26
Por: Caio Reis Fonte: www.cnnbrasil.com.br
Crise entre Polônia e Belaraus intensifica

As tensões estão aumentando na fronteira entre a Polônia e a Belarus após as autoridades polonesas novamente acusaram o país vizinho de ajudar a mover os imigrantes em direção à fronteira, e advertiram que milhares de militares adicionais foram mobilizados para responder aos confrontos.

Na última crise de migração de uma semana na fronteira, o chefe da guarda de fronteira polonesa disse que grupos de pessoas estavam tentando violar a fronteira na noite desta segunda-feira (8).

“A situação na fronteira é difícil. Mais grupos numerosos de migrantes são levados para a fronteira. Estão sendo feitas tentativas para forçar a passagem da fronteira”, disse Ewelina Szczepańska, acrescentando que estava confiante de que as forças polonesas poderiam lidar com a situação.

O Ministério da Defesa da Polônia disse na segunda no Twitter que “um grupo de imigrantes foi localizado perto de Kuznica”. A postagem foi acompanhada por imagens aéreas mostrando grandes multidões se reunindo no lado de Belarus da fronteira.

O Ministério acrescentou mais tarde que: “Atualmente, os imigrantes montaram um acampamento na região de Kuznica. Eles são constantemente vigiados pelos serviços de Belarus”.

O porta-voz do quartel-general da Guarda de Fronteira polonesa, Michał Tokarczyk, disse à CNN: “Os serviços belorrussos estão transferindo grandes grupos de migrantes para a fronteira polonesa. Estamos aguardando sua mudança e estamos preparados para qualquer cenário.”

Em uma declaração de acompanhamento, Tokarczyk especificou que existem atualmente cerca de 4.500 guardas de fronteira e cerca de 9.500 soldados do Exército polonês estacionados na fronteira, enquanto “um grupo de vários milhares de imigrantes está se dirigindo para a fronteira polonesa.”

O Comitê Estadual de Fronteiras de Belarus, que é responsável pelas fronteiras externas do país, disse que os imigrantes próximos à fronteira querem entrar na Polônia como refugiados e não representam uma ameaça à segurança.

Um número crescente de pessoas cruzou ilegalmente a fronteira da Polônia com Belarus nas últimas semanas. De acordo com Tokarczyk, desde agosto mais de 30 mil imigrantes tentaram entrar no país.

O presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, já havia sido acusado de fabricar uma crise de imigrantes na fronteira pelos primeiros-ministros dos vizinhos Polônia, Letônia e Lituânia, levando a Polônia a adotar um projeto de lei em outubro para a construção de um muro ao longo de sua fronteira com Belarus.

Autoridades europeias também acusaram Belarus de encorajar as pessoas a cruzar ilegalmente para a Polônia e seus outros vizinhos da União Europeia, como parte dos esforços para pressionar o bloco sobre as sanções abrangentes que impostas a Minsk em junho.

As sanções da UE, dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha foram uma resposta coordenada ao pouso forçado, imposto pelo governo Lukashenko, de um voo da Ryanair e à prisão de um jornalista da oposição que estava a bordo – bem como à “repressão contínua” no ex-estado soviético.

Crise de fronteira

Em outro tuíte, o ministro da Defesa da Polônia, Mariusz Blaszczak, disse que milhares de soldados estavam “preparados para defender a fronteira polonesa”.

“Mais de 12.000 pessoas estão de serviço na fronteira. Aumentamos o estado de alerta”, escreveu Blaszczak.

Enquanto isso, as Forças de Defesa Territorial da Polônia também disseram em um tuíte que estavam aumentando o nível de alerta para apoiar o guarda de fronteira, acrescentando: “Soldados! Verifique seu equipamento e equipamento de comunicação, avise seus empregadores e famílias.”

O Ministério do Interior e Administração polonês disse anteriormente no Twitter que os imigrantes do lado de Belarus foram detidos nesta segunda-feira e que a situação em Kuznica está sob controle.

Ele postou um vídeo mostrando a polícia polonesa e outro pessoal armado perto de uma cerca de arame farpado, com os imigrantes do lado de Belarus. Enquanto isso, uma reunião urgente do governo para a crise foi convocada em meio às crescentes tensões, de acordo com o Ministério do Interior.

O primeiro-ministro polonês, Mateusz Morawiecki, escreveu no Facebook: “A fronteira da República da Polônia não é apenas uma linha de um mapa. É sagrada – o sangue dos poloneses foi derramado por gerações para protegê-la!”

A Lituânia, que faz fronteira com a Polônia e Belarus, disse que está redistribuindo tropas à medida que as tensões continuam a aumentar, de acordo com o Serviço de Guarda de Fronteira do Estado da Lituânia e relatado pela LRT, a emissora pública lituana.

“Estamos nos preparando para todos os cenários possíveis”, disse a emissora pública, citando Rustamas Liubajevas, chefe da guarda de fronteira da Lituânia.

A líder da oposição exilada, Sviatlana Tsikhanouskaya, pediu uma forte resposta da UE e das Nações Unidas.

“O regime de Belarus agrava a crise de fronteira, os imigrantes são empurrados para a fronteira da UE por homens armados”, ela tuitou. “O contrabando de migrantes, a violência e os maus-tratos devem parar”.

Reação de Belarus

O governo do presidente Lukashenko negou repetidamente a fabricação de uma crise de imigrantes, culpando o Ocidente pela travessia e pelo tratamento dispensado aos migrantes. A CNN entrou em contato com o governo de Belarus para comentar o assunto.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, defendeu a maneira como Minsk está lidando com a questão dos imigrantes, dizendo que Belarus está tomando todas as medidas necessárias para agir legalmente.

O Comitê Estadual de Fronteiras de Belarus também disse em um comunicado no Facebook: “Os estrangeiros que estão perto da fronteira com a Polônia declaram sua intenção de entrar no território de um país vizinho e exercer seu direito de solicitar o status de refugiado na UE. Todas essas pessoas, incluindo mulheres e crianças, não representam uma ameaça à segurança e não se comportam de forma agressiva.”

O Comitê acrescentou que não descartou provocações do lado polonês. “Levando em consideração as declarações de oficiais poloneses sobre a concentração de forças armadas e equipamentos perto da fronteira, não excluímos ações provocativas do lado polonês destinadas a justificar o uso de força física e meios especiais contra os refugiados.”

Em uma declaração posterior, o Comitê acrescentou: “A situação na fronteira continua extremamente tensa. Mais de 2.000 refugiados, incluindo um número significativo de mulheres e crianças, estão em frente às barreiras polonesas ao longo da fronteira (…) Refugiados repetidamente tentam informar o lado polonês que eles haviam deixado seus países porque suas vidas estavam em perigo.”

Em seguida, acusou as forças de segurança polonesas de lançar gás lacrimogêneo contra as pessoas e usar “a aviação para exercer pressão psicológica”, o que levou alguns deles a atacar as barreiras polonesas.

As instituições de caridade dizem que os migrantes enfrentam condições extremas ao tentar cruzar a fronteira de Belarus em um clima congelante, com falta de comida e atendimento médico.

As autoridades polonesas disseram que sete imigrantes foram encontrados mortos no lado polonês da fronteira, com relatos de mais mortes na Belarus.

Grupos humanitários também acusam os nacionalistas governantes da Polônia de violar o direito internacional de asilo ao empurrar os migrantes de volta para Belarus, em vez de aceitar seus pedidos de proteção. A Polônia diz que suas ações são legais.

Lauren Said-Moorhouse, Allegra Goodwin e Eliza Mackintosh, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

Ele1 - Criar site de notícias